Segunda-feira
18 de Outubro de 2021 - 

Acesso aos clientes

Usuário
Senha

Contate-nos

Escritório

Av. Guilherme Ferreira , 831 , Sala 2
CEP: 38022-200
Uberaba / MG
+55 (34) 33138617

Notícias

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

08/10/2021 - 19h10Programa Novos Rumos recebe equipe do CNMPNo encontro, foram apresentados os três segmentos de atuação em MG

Encontro possibilitou troca de experiências e aprofundamento quanto ao modelo Apac (Foto: Riva Moreira/TJMG) Integrantes da coordenação das três vertentes de atuação do Programa Novos Rumos – voltadas às Associações de Proteção e Assistências aos Condenados (Apacs), ao Programa de Atenção Integral ao Paciente Judiciário (PAI-PJ) e ao Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e das Medidas Socieducativas (GMF) – reuniram-se nesta sexta-feira (8/10) com integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). O intuito foi apresentar ao grupo as iniciativas do Tribunal de Justiça de Minas Gerais na área de execução penal. Recepcionaram a comitiva o desembargador Antônio Armando dos Anjos, coordenador geral, e o coordenador executivo do segmento Apac, juiz Luiz Carlos Rezende e Santos; o coordenador executivo do PAI-PJ, juiz Luís Fernando Nigro Corrêa; o coordenador do GMF, juiz Evaldo Elias Penna Gavazza. Estiveram presentes o conselheiro Marcelo Weitzel, ex-procurador-geral de justiça da Justiça Militar; Eunice Carvalhido, membro auxiliar do CNMP e ex-procuradora-geral de justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT); Cláudia Braga Tomelin, promotora de justiça (MPDFT) e membro auxiliar do CNMP; Jaime de Cássio Miranda, secretário-geral do CNMP e ex-procurador-geral de justiça da Justiça Militar; os promotores de justiça Selma Leão Godoy (Procuradoria-Geral de Justiça do MPDFT); Paloma Storino, coordenadora do Núcleo de Execuções Penais do MPMG Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça Criminais, de Execução Penal, do Tribunal do Júri e da Auditoria Militar; Fernanda Balbinot (MPGO), membro auxiliar da Presidência do CNMP; e Emmanuel Levenhagen, assessor especial do procurador-geral de justiça de Minas, Jarbas Soares Júnior.  O grupo falou sobre as Apacs, que oferecem índices menores de reincidência criminal (em torno de 15%), com custo bem inferior ao sistema prisional comum (R$ 20 mil por vaga, contra R$ 80 mil). Minas conta, atualmente, com 46 unidades em funcionamento, que abrigam aproximadamente 5 mil recuperandos. Outros temas discutidos foram a especificidade da área de execução penal e a necessidade da humanização; capacitações para pessoas em cumprimento de pena; as audiências de custódia; a fiscalização regular de estabelecimentos prisionais, a superlotação carcerária e a alternativa do monitoramento eletrônico, entre outros. Troca de experiências O desembargador Antônio Armando dos Anjos, coordenador geral das Apacs no TJMG, destacou sua satisfação com a visita, que permitiu a apresentação, a colegas do Ministério Público de Minas e de outros estados e do CNMP, de um modelo já bastante consolidado, que vem alcançando consistentemente resultados exitosos, e permite a reconstrução de vidas com a responsabilização e o comprometimento, dando oportunidades para quem quer encontrar novos caminhos. O magistrado afirmou que a metodologia, que floresceu em Minas, já se mostrou um meio de promover a justiça, a paz social e a dignidade humana. Magistrados e membros do CNMP discutiram sobre vantagens do sistema Apac e questões prisionais (Foto: Riva Moreira/TJMG) O coordenador executivo, juiz Luiz Carlos Rezende e Santos, disse que todos ficam honrados com a presença do Conselho Nacional do Ministério Público. “Nosso colegas vieram trazer um pouco de suas observações quanto ao sistema prisional no país e conhecer um pouco das práticas desenvolvidas aqui no Estado. Ficamos orgulhosos também com o aceite do conselheiro Marcelo Weitzel, que, brevemente, participará da abertura de um evento em que reuniremos os juízes de todas as nossas Apacs. Ele proferirá a palestra magna”, antecipou. O juiz coordenador do PAI-PJ, Luís Fernando Nigro, salientou que a possibilidade de profissionais do Direito de diferentes órgãos, e que atuam em realidades distintas, compartilharem suas visões é fonte de aprimoramento mútuo. “O encontro foi muito importante para nós. É sempre relevante poder trocar ideias sobre temas relativos à execução criminal; isso sempre enriquece o nosso Programa Novos Rumos”, disse. Para o juiz Evaldo Gavazza, coordenador do GMF, a interação entre o Judiciário e CNMP é valiosa para todos os envolvidos. “A troca de experiências é fundamental para construirmos um sistema prisional diferenciado, mais humanizado e justo, cumprindo efetivamente aquilo que a Lei de Execução Penal exige. O sistema prisional cuida de pessoas privadas de liberdade, e a oitiva de outros atores é vital para que ele seja aperfeiçoado. A proposta democrática da Presidência do TJMG, através do GMF, é a escuta e a recepção de ideias de outros segmentos, órgãos e instituições, para melhoria do sistema de justiça criminal e de execução penal”, enfatiza.
08/10/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.