Segunda-feira
21 de Junho de 2021 - 

Acesso aos clientes

Usuário
Senha

Contate-nos

Escritório

Av. Guilherme Ferreira , 831 , Sala 2
CEP: 38022-200
Uberaba / MG
+55 (34) 33138617

Notícias

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Deputados fazem visita técnica ao aterro sanitário de Manaus

      Os deputados Tony Medeiros (PSD), Abdala Fraxe (Podemos), Serafim Corrêa (PSB) e o presidente da Comissão de Geopersidade, Recursos Hídricos, Minas, Gás, Energia e Saneamento, deputado Sinésio Campos (PT)  e o prefeito de Manaus, David Almeida, estiveram nesta quinta-feira (10), no Aterro Sanitário de Manaus para uma vistoria técnica ao complexo para entender se as tecnologias que estão sendo utilizadas para armazenagem dos resíduos e proteção do solo, ainda estão atendendo as necessidades da capital. A previsão é que o tempo de vida útil do atual aterro termine em dezembro de 2024. Atualmente, o aterro, que está localizado Km 19 da AM–010 (estrada que liga a capital ao município de Itacoatiara) recebe cerca de 2,7 toneladas de lixo por dia. O controle é feito por meio de balanças instaladas na entrada do complexo.  O lixo é armazenado em estruturas que visam evitar o contato com o solo. O chorume (resultado da decomposição da matéria orgânica) é bombeado para fora por meio de uma tubulação e tratado para não poluir o meio ambiente. O aterro também faz aproveitamento de resíduos para compostagem e uso de biogás (metano e CO2) para geração de energia e créditos de carbono. Segundo o deputado Tony Medeiros, a ideia da visita é também avaliar se este modelo de aterro pode ser implantado em outros municípios do Amazonas, ou se seria o caso de adotar tecnologias mais avançadas para solucionar os problemas das cidades do interior do Estado. “Queremos entender se a tecnologia que está sendo utilizada ainda atende as necessidades de Manaus e se pode ser utilizada nos demais municípios do Estado, que ainda enfrentam grandes dificuldades e riscos à saúde da população com lixões a céu aberto”, disse.   Municípios   Manaus é a única cidade do Amazonas a possuir um aterro sanitário. Mesmo após a criação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e um prazo que se estendeu por dez anos, as prefeituras não conseguiram substituir os atuais lixões. A maioria argumenta a falta de recursos para este fim. A recente promulgação da Lei 14.026, em 15 de julho de 2020, atualizou o marco legal do saneamento básico e estendeu os prazos do PNRS, para que as cidades encerrem lixões a céu aberto. O prazo agora vai do ano de 2021 para capitais e suas regiões metropolitanas; e até o ano de 2024, para municípios com menos de 50 mil habitantes. “É urgente pensar em uma solução para os municípios. Uma força tarefa com ajuda do Governo Federal, Estado e Prefeituras, com medidas que auxiliem os municípios do Amazonas a cumprir esses prazos”, afirmou Tony Medeiros.   Texto: Assessoria Fotos: Leandro Xavier
10/06/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.