Segunda-feira
21 de Junho de 2021 - 

Acesso aos clientes

Usuário
Senha

Contate-nos

Escritório

Av. Guilherme Ferreira , 831 , Sala 2
CEP: 38022-200
Uberaba / MG
+55 (34) 33138617

Notícias

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Papel do Judiciário paulista na área socioambiental

TJSP publica provimentos que tratam do PLS.       Na mesma semana em que foi celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de Junho), o Tribunal de Justiça de São Paulo publicou em 2/6 portaria que trata da composição do Núcleo Socioambiental do TJSP, bem como da Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável (PLS). Magistrados e servidores de diferentes áreas foram designados para atuar na elaboração e fiscalização do PLS, além de outras ações que têm como foco promover a sustentabilidade no Judiciário paulista, prevista no Objetivo 19 do Planejamento Estratégico da Corte.     A composição dos dois grupos foi atualizada a partir da publicação do Provimento CSM nº 2.617/21, que altera o Provimento CSM nº 2.262/15. Ou seja, há seis anos o TJSP já conta com essa frente de trabalho, ciente de que a Administração Pública é agente de transformação de padrões de consumo e de produção, especialmente por meio das compras que realiza, necessárias para o desenvolvimento de suas atividades e prestação de serviços à população.     “O novo provimento procura deixar mais claras as competências do Núcleo e da Comissão, com base na experiência dos trabalhos desenvolvidos desde 2015. Também estabelece a designação dos gestores de metas de sustentabilidade para a execução do PLS, além de trazer o suporte da Coordenadoria de Governança da Secretaria de Administração e Abastecimento para o desenvolvimento dos trabalhos”, conta a diretora de Planejamento Estratégico do TJSP, Carmen Giadans Corbillon.     O PLS é um documento que formaliza objetivos, metas, prazos de execução, mecanismos de monitoramento e avaliação de indicadores na área de sustentabilidade. Para seu cumprimento, são desenvolvidos projetos e ações. Por quatro anos, por exemplo, foi promovido o jogo virtual TJ Sustentável, uma competição saudável que mobilizou todas as comarcas do Estado pela redução de consumo de água, energia, telefonia, papel sulfite e copos descartáveis.     “Os tribunais de todo o Brasil geram um grande impacto ambiental por conta da força de trabalho, infraestrutura predial e consumo, o que demonstra a importância do tema para o Judiciário e, consequentemente, para a sociedade”, ressalta Carmen Corbillon. O tema teve seu marco em 2015 com a edição da Resolução CNJ 201, que instituiu a elaboração dos planos de logística, criação dos núcleos e comissões gestoras. De lá para cá foram vários passos, como a criação do Observatório do Meio Ambiente do Poder Judiciário e a inclusão de metas nacionais ligadas ao tema. A Meta 9 busca integrar o Poder Judiciário Nacional à Agenda 2030 (Agenda de Direitos Humanos da ONU).     Cabe ao Núcleo Socioambiental analisar as variáveis e indicadores previstos em resoluções do Conselho Nacional de Justiça, entre eles consumo e gastos com combustível, impressões, papel, energia, água, esgoto, dados de contratos e de reformas, entre muitos outros itens. O grupo, quando necessário, pode criar indicadores de acordo com a realidade do TJSP. Também está entre suas tarefas aprimorar o sistema de coleta de dados, propor ações de apoio ao cumprimento do PLS, além de atuar na sensibilização da força de trabalho. Já a Comissão Gestora tem a função de elaborar, monitorar e revisar o PLS, que abrangerá o período de 2021 a 2026, além de fazer relatórios anuais que serão disponibilizados no site do TJSP. Entre os temas tratados estão o uso eficiente de insumos e materiais, energia elétrica, água e esgoto, gestão de resíduos, qualidade de vida no ambiente de trabalho e sensibilização e capacitação contínua do público interno.       Área jurisdicional - Para relembrar     No Judiciário paulista, em 2005 foi instalada a 1ª Câmara Reservada ao Meio Ambiente, a primeira da América Latina no assunto. Matéria publicada no DJE em setembro do ano passado mostrou que, ao contrário de outros tribunais, que criaram varas ambientais, o TJSP inovou ao implantar uma unidade na 2ª Instância, para conferir uniformidade às decisões relativas ao meio ambiente, criando uma jurisprudência estável e de acesso fácil, além de permitir a análise de questões específicas com maior profundidade e celeridade. Com o sucesso do trabalho, em 2012 foi instalada a 2ª Câmara Reservada ao Meio Ambiente. As câmaras têm competência para julgar questões relativas ao meio ambiente natural, que dizem respeito à fauna, flora e recursos naturais. As sessões são mensais – os desembargadores integrantes não são exclusivos e acumulam a função com a câmara de origem. De acordo com a Resolução nº 240/05, os objetivos são a preservação, a melhoria e a recuperação da qualidade ambiental, além da garantia das condições de desenvolvimento socioeconômico e sustentado. Entre os cerca de 3 mil processos que são distribuídos anualmente para as Câmaras Reservadas ao Meio Ambiente, alguns temas são recorrentes, como a própria legalidade da queima da palha da cana-de-açúcar, a obrigação de concessionárias construírem passagens de fauna nas rodovias e questões ligadas a aterros sanitários.       N.R.: texto originalmente publicado no DJE de 9/6/21.            imprensatj@tjsp.jus.br       Siga o TJSP nas redes sociais:     www.facebook.com/tjspoficial     www.twitter.com/tjspoficial     www.youtube.com/tjspoficial     www.flickr.com/tjsp_oficial     www.instagram.com/tjspoficial
10/06/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.